Arquivo | Criação Colaborativa RSS feed for this section

Statusphere: Motivações que levam os consumidores a obterem status nos dias atuais

9 maio

Saiu na Trendwatching este mês: Não importa de qual tipo de indústria estejamos falando, tudo se trata de status . Os consumidores estão encontrando maneiras cada vez mais diversificadas para obter seu status mas será que as empresas estão preparadas?

A necessidade de reconhecimento e status está no coração de cada tendência de consumo. Status é o definitivo (escondido) motivo, uma força subconsciente, mas sempre presente.

Agora, em uma sociedade de consumo tradicional, onde o consumo é um dos principais (se não o principal)  indicador de sucesso, aqueles que consomem mais (e especialmente aqueles que consomem os produtos mais raros e mais caros), normalmente também atingem o mais alto status . É por isso que as marcas têm, ao longo de décadas,  bens, serviços e experiências que os ajudem (corajosamente ou sutilmente) a impressionar seus pares e ajudar a aliviar suas ansiedades sobre o modo como é percebido pelos outros.

No entanto, as sociedades de consumo maduras estão mudando, e assim é o “STATUSPHERE ‘: um número crescente de consumidores que deixaram de ser (apenas) obcecados com a posse ou a sentirem-se melhores com o que é mais caro. Novas características como produtos ecologicamente corretos influenciam o modo de consumo de muitos.

Veja abaixo 5 modos que os consumidores estão utilizando para obter status nos dias de hoje:

O crescimento da classe média e economias emergentes de países como o Brasil e a China impulsionam o consumo de luxo e não é à toa que a venda de produtos dete segmento aumentem, mesmo com crises econômicas nos demais países. Isso não quer dizer que nada tenha mudado na forma como as pessoas consomem para obter status. Atualmente as histórias de status predominam mais do que os símbolos de status. Isso acontece através de experiências promovidas pelas marcas.

Possuir não é mais a única forma de os consumidores obterem seu status.O ato de doar torna-se importante também.

Preste atenção na crescente importância da” generosidade “da sociedade. A emergência de uma cultura on-line é alimentada por indivíduos que compartilham, dão, participam, criam e colaboram em grandes números.

Por trás da generosidade esta a criação colaborativa, o crowdsourced e o movimento de partilha que, especialmente on-line gerou maneiras totalmente novas a que as pessoass se sintam parte de um bem maior, para contribuir , para ajudar. Mas o mundo online, claro, também faz com que seja fácil de mostrar e compartilhar os acertos de altruísmo.

Como sociedades inteiras têm abraçado a sustentabilidade como o caminho a seguir, as credenciais verdes são uma fonte inesgotável de status.

Existe também o status social conseguido através da conectividade no mundo online.
Estamos falando de amigos no Facebook, Twitter, Retweets, seguidores, o número de pontos de vista para uma foto no Flickr ou um vídeo no YouTube. Estes são todos os símbolos e números que estão associados com o status social e que podem ser compartilhados instantaneamente e em grande escala, no reino de conectividade.

Os consumidores desejam cada vez mais manter e melhorar sua presença online com um fluxo constante de conteúdo: pensamentos, imagens, vídeos, músicas, opiniões, histórias e assim por diante.

A procura por status continuará existindo e evoluindo pois é natural do homem a vaidade e o desejo em ser reconhecido, visto, admirado, ouvido e invejado.

Source: www.trendwatching.com. One of the world’s leading trend firms, trendwatching.com sends out its free, monthly Trend Briefings to more than 160,000 subscribers worldwide.

Anúncios

Lacta e o Crowdsourcing Advertising

4 abr

Para promover sua barra de chocolate na Grécia, a Lacta e a agência OgilvyOne de Atenas criaram uma mecânica de crowdsourcing para criar um filme de entretenimento da marca com27 minutos. Envolveram o público em tudo desde sugestões de Roteiro, casting de atores e estilo das roupas. Algumas pessoas até participaram dos extras no filme. Durante as filmagens, o público foi atualizado através de um Blog, página no Facebook , Twitter e Youtube. No Valentine´s Day, o filme foi exibido na TV e online com grande sucesso.

Para ver o site oficial e o filme, clique aqui

Crowdsourcing Advertising: o Futuro da Publicidade

20 mar

Esta semana, estive no Webexpoforum, um super evento de Internet e Tecnologia aplicados aos Negócios. Assisti palestras muito interessantes e a primeira delas, inclusive uma das que mais gostei, foi a de Luca Messaggi a respeito de CROWDSOURCING ADVERTISING. Já escrevi sobre a palestra dele no Inovadores Espm, mas faço questão de reforçar aqui também.

Luca é italiano e diretor da Zooppa, uma empresa inovadora que iniciou na Itália, em filiais nos EUA e chegou há pouco tempo no Brasil. A Zoopa é um misto de Rede Social , plataforma de Negócios e Tecnologia.

Como funciona?

As empresas procuram a Zooppa, porque desejam criar anúncios diferentes, originais e relevantes através da colaboração de seus consumidores/clientes. Isso mesmo! A Zoopa possibilita que qualquer pessoa se cadastre em seu site e participe das competições para criar anúncios para determinadas marcas, recebendo assim uma quantia em dinheiro. É bom para as empresas porque automaticamente cria-se um efeito viral em cima de uma campanha e da marca, além de todo o engajamento com seu público. Além é claro do investimento mínimo, perto dos valores gastos com campanhas convencionais. Esse processo de interação com o público e deixar que ele participe do processo de criação de propaganda é o chamado Crowdsourcing Advertising, e faz parte do futuro da Publicidade, de acordo com Luca. Trata-se de um  processo de conexão com o público, dar voz ao coletivo.

Na minha opinião, certamente essa nova modalidade para se fazer propaganda é uma grande sensação e está apenas começando aqui no Brasil. O primeiro cliente da Zooppa aqui no Brasil é a Sky e já está rolando uma competição no site para desenvolver a campanha: De amigo para amigo.

Achei um bem interessante artigo sobre o tema na Adage e inclusive mais referências de empresas que fazem esse tipo de serviço:

OpenAd.net: Fornece a capacidade de gerar idéias publicitárias a partir de uma rede distribuída de mais de 11.500 criativos de mais de 125 países. Grandes marcas como a MTV, Virgin Atlantic e a DaimlerChrysler já contrataram seus serviços.
CrowdSpring:  possui uma rede de mais de 20.000 criativos de 140 países que competem para oferecer logotipos, site e idéias relacionadas a design para médias e pequenas empresas . Os resultados finais são impressionantes, como  literalmente centenas de apresentações feitas pelos designers .

Idéias inspiradas pelo CROWDSOURCING

FFFFound!: O site permite aos usuários publicar e compartilhar suas imagens favoritas encontrados na web e, em seguida dinamicamente faz recopmendações baseadas em gostos e interesses de um usuário.

PatternTap: é um dos melhores sites de comunidade para designers de interface à procura de inspiração para resolver problemas de projetos.

COLOURlovers: possui mais de 1 milhão de nomes de cores, centenas de milhares de paletas de cores e padrões, além de comentários e avaliações. Entrevistas com os melhores profissionais criativos são um bônus, assim como  posts com títulos como “The Art of Color: Rothko Meets Web 2.0”.

Neste mesmo artigo da Adage, é citada uma discussão quanto à disseminação do uso de Crowdsourcing pelas empresas. Pode uma campanha criada pelo coletivo ser comparada a algo que uma agência conceituada produz?

Os serviços de crowdsourcing podem ter grandes riscos e recompensas. Pode uma brilhante idéia criativa colocar em risco  uma relação de confiança com um parceiro que vive e ajuda a desenvolver a sua marca, em muitos casos, durante todo um ano? Ambas as abordagens podem coexistir?

Para mim, a criatividade gerada pelo crowdsourcing prova que uma grande idéia pode vir de qualquer um, em qualquer lugar e isso é o suficiente para demonstrar o quanto esse novo pensamento pode ser aplicado aos negócios e realmente dar certo.

Influenzadores na Paulista

3 dez

Sexta-feira passada dia 27/11 aconteceu na Avenida Paulista uma super ação do Coletivo Influenzadores que colocou em meio à avenida e o caos, executivos engravatados meditando e relaxando em típicas posições de Yoga.

A ação funcionou como uma manifestação pacífica e silenciosa para fazer as pessoas repensarem nos seus hábitos de vida nessa correria diária de quem vive principalmente em São Paulo.

De acordo com o site YOGASP foi divulgado o convite abaixo para reunir em torno de 100 pessoas(avatores) que participaram dessa performance:

Convidamos você a participar de uma manifestação na Paulista! Uma manifestação diferente das barulhentas e, muitas vezes, violentas às quais estamos acostumados a assistir. Convidamos você para uma atitude revolucionária, porém em silêncio… Ao invés de marcharmos, sentaremos em lótus; ao invés de cerrarmos os punhos, cerraremos os olhos; ao invés de gritarmos, ficaremos em silêncio…
Convocamos você para uma atitude muito mais provocativa do que a do enfrentamento e do confronto, convidamos vc a meditar na Paulista. Precisamos de Avatares, deuses encarnados, isto é, na verdade, precisamos de “AvAtores”, que são atores ou não, com uma atitude divina e que, no seu silêncio, exalem o encantamento de estar presente de corpo e alma onde quer que estejam.
Queridos AvAtores, venham participar dessa performance que será no dia 27 de novembro, numa sexta feira, às 17hs na Av.Paulista. Venham abduzir os olhares urbanos numa atitude silenciosa e tranquila. Convidamos vc a não fazer nada, apenas sentar e se observar…
A Índia não está na Índia, o Tibet não é no Tibet. O Tibet está dentro de nós. E a verdadeira revolução é a interna!

Para participar, providencie seu traje EXECUTIVO e entre em contato por email conosco! Nossa telepatia está sem crédito!
influenzadores@gmail.com

A performance aconteceu na ilha central da Avenida e não atrapalhou, em momento algum, a fluência (?!) do trânsito da cidade.
A intenção foi provocar o estranhamento. Despertar o olhar para a cidade e para si mesmo.
Em 2010, uma instalação será montada a partir dos registros feitos no dia da intervenção.

A única fonte oficial que encontrei até o momento foi o Flickr com as fotos dessas ações. Aprecie!

Parece que essa foi apenas uma das ações que esse Coletivo irá fazer pela cidade!

Para esta primeira ação a escolha do lugar não poderia ser melhor para essa proposta e a divulgação chamando pessoas a participarem também fez toda a diferença!

Vou ficar de olho neles agora e aguardar a próxima ação! 😉

Algumas reflexões extraídas do Intercon09

9 nov

intercon2009

Estive no Intercon 2009 e não podia deixar de blogar sobre esta experiência!

Foi a primeira vez que fui a esse evento que reúne palestrantes extraordinários da área de internet, mas já tinha algumas expectativas e posso dizer que me surpreendi.

Na parte da manhã fiquei no ambiente Business com a curadoria de Gil Giardelli e vi palestras sensacionais como a do Carlos Nepomuceno que ao refazer o histórico da internet arrancou palmas e gargalhadas da platéia por ser irreverente e lançar comentários como o de que não devemos nos sentir privilegiados e achar que estamos numa era em que tudo é novo, porque até mesmo o Twitter já foi inventado há muito tempo atrás por Jesus que já tinha seus 12 seguidores… 😉 Gosto de pessoas que saem do quadrado e utilizam novas formas de expor seu conhecimento, chamando assim a atenção de uma platéia tuiteira que dividia seus olhares e atenção entre os palestrantes, notebooks e celulares.

Em falar nisso, cabe aqui uma reflexão. O formato tradicional de palestra incide em um palestrante que fala e uma platéia silenciosa que escuta e reflete em pensamento. Agora, o que vivemos ontem no Intercon09, com as pessoas refletindo colaborativamente e expondo seus pensamentos e opiniões no Twitter, paralelamente ao curso da palestra nos mostra que realmente estamos em uma era diferente.

Compartilhamos no Twitter momentos onde um rapaz liberou seu wifi para 11 pessoas que reclamavam da qualidade do sinal no ambiente  e também quando as pessoas reclamavam da ausência de tomadas para recarregar seus notes e celulares e em poucos minutos Gil chegou com réguas compradas naquele momento pós reclamações. Assim as pessoas puderam colaborativamente acalmar seus nervos e recarregar as baterias de seus aparelhinhos eletrônicos.

Piadas internas rolavam paralelamente às palestras e por alguns instantes quem não estava acompanhando o Twitter, parecia ficar fora do ar.

Através da hashtag #intercon09 víamos o que se passava na mente de cada pessoa sentada ali  no auditório, suas impressões , opiniões e ainda conseguíamos reconhecer pessoalmente muitos amigos que até então eram virtuais e podiam estar sentados do nosso lado.

Gostei muito de palestras como a da Suzana Apenbaun, que falou sobre o mundo Trans, que é o mundo que vivemos hoje de transformações e superação de limites, mostrando cases novos e muito interessantes como o http://www.helpthehoneybees.com/ da Haagen-Dazs, que em pró da causa de proteger as abelhas produtoras de mel da extinção, desenvolveu um sorvete de mel e fez uma campanha com uma grande presença digital, virais e vídeos, direcionada à conscientização das pessoas e o dinheiro arrecadado com a venda desse produto era direcionado à doações para a causa. Esse é um grande exemplo da Publicidade sendo usada e transformada em causa social.

O fechamento da parte da manhã na sala Business com Gil Giardelli, um tecnotimista que falou de Green Tech e Sustentabilidade, temas que daqui pra frente devem ganhar cada vez mais importãncia e atenção das pessoas foi sensacional. Gil nos mostrou um outro lado que pouco discutimos e nos fez pensar a respeito do futuro que queremos para o mundo. Nos fez refletir sobre nossas atitudes e também que cada um de nós pode fazer sua parte.

Na área de Criação na parte da tarde pude ser surpreendida por palestrantes como o Gilberto Júnior e o Luli.

Ambos conduziram suas palestras de um modo teatral muito bacana e o Luli soube emocionar as pessoas com uma palestra performática fugindo totalmente do formato que alguns palestrantes aderiram de falar sobre o que fizeram, fundaram…

Usou humor, disse que para Inovar é preciso antes observar e fez um paralelo bem bacana sobre o lado esquerdo e o direito do cérebro.

Sua palestra está sendo considerada por muitos como a melhor do evento e eu apoio.

Clique aqui e confira como foi emocionante!

As pessoas estão querendo ver coisas diferentes, experiências pessoais que agregam, inovações na própria forma de palestrar e não apenas na teoria. Em um evento como esse, palestrantes que ousam na forma de abordar um assunto conseguem chamar a atenção. Afinal precisamos sempre inovar, renovar, criar! Partir para ações práticas e não ficar apenas na teoria.

Para mim foi essa a mensagem que ficou de um evento que já está dando saudade!

Novos ventos inovadores virão

22 out

Bom gente, escrevi esse post dando minha opinião sobre o curso Ações novadoras em Comunicação Digital, realizado na ESPM e ele também está disponível aqui no Blog dos Inovadores ESPM!

Foi praticamente um mês mas passou muito rápido . Momentos de compartilhamento de novas informações, pensamentos e opiniões que continuam e continuarão rondando nossas mentes por um bom tempo, quem sabe pra sempre! Com certeza a decisão de todos que foram parar nesse curso, trouxe boas consequências. O ato de se abrir ao novo, de assumir que precisa aprender para se incluir nessa revolução pela qual estamos passando.

O primeiro impacto para mim foi a própria descrição do curso na home page da ESPM. Por ali já deu pra perceber com o que iríamos nos deparar, pois além de falarmos, discutirmos e aprendermos sobre novas tendências e revolução digital, faríamos uma revisão da história passando por Gutenberg para chegar até os dias de hoje e entendermos melhor todo o processo! Bingo! Logo na primeira aula, Gil Giardelli nos bombardeou com muitas informações e referências da história, nos fazendo refletir sobre o que é realmente novo e o que foi reinventado. Quebrou todos nossos paradigmas, criando muitas dúvidas, curiosidades e anseios pelas próximas aulas!

Todas as aulas foram recheadas de muitos dados, cases, opiniões profissionais e pessoais. A escolha de convidados de diversas áreas, desde o CEO de uma grande agência de marketing digital até uma antropóloga foi fundamental para fazermos a nossa mistura dentro desse caldeirão de idéias! E cada um funcionou como uma peça fundamental nessa engrenagem, fazendo o todo ter sentido. Palestras motivadoras como a do Sergio Storch sobre Gestão do conhecimento, onde ele citou que O Conhecimento está nas pessoas juntas, no coletivo e por isso uma equipe pode ser considerada um sistema inteligente, ou a do Sérgio Amadeu que citou que No ambiente das redes, colaborar é mais eficiente do que competir, nos abrem novos horizontes chegando à conclusão tão disseminada durante o curso: A rede é feita de pessoas e não apenas de tecnologia. Isso muda tudo e reacende a discussão sobre a criação colaborativa.

Martha Gabriel também nos fez pensar quando disse: As pessoas não são, estão e como podemos aprender a se aproximar de pessoas na era da busca, que querem encontrar, mas não querem ser encontradas. Além de mostrar que na web também é possível fazer arte!

Para finalizar foi perfeita a palestra do Paulino Michelazzo que deixou mensagens como: Inovar não é superar o vizinho, mas se superar o tempo todo. Foi muito inspirador quando ele disse que Inovar às vezes também é não saber o que fazer daqui há 5 anos. É não ter certeza, deixar o acaso entrar em nossas vidas, passarmos por muitas experiências e não apenas seguir o curso normal ou correto da vida!

Gil Giardelli fechou o curso dizendo que A internet começou com pessoas que acreditavam num mundo diferente. Motivador não?

São muitas as lições e reflexões a tirar de todo esse conteúdo que recebemos durante o curso.

Para mim fica a sensação que agora é a hora de organizar todas essas informações que recebemos e colocá-las em prática, seja na vida pessoal ou profissional. Deixar-se experimentar e tirar o máximo possível que a internet pode nos dar!  Pesquisar e analisar as informações que recebemos, desenvolvendo cada vez mais o lado curioso e questionador,  para assim gerarmos conhecimento! Desbravar o mundo enxergando em cada experiência uma dádiva, uma oportunidade de fazer diferente e  pensar que o novo pode estar a apenas alguma distância do óbvio.

Devemos aproveitar para unirmos o que temos de melhor, o nosso lado de ser humano que é o ato de colaborar, compartilhar e fazer a diferença!

Após esse curso somos novas pessoas. Como diria Albert Einstein: A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.

GO INOVADORES !

Reflexões de uma mente saturada

21 out

Existem momentos que a gente se perde em meio a tanta informação, tecnologia, que nada parece fazer sentido. Queremos tanto acompanhar esse ritmo e tentar ficar informado sobre tudo mas claro que é impossível.

Tecnologias novas criadas a cada instante, muitas opiniões disponíveis sobre um mesmo fato para serem consideradas, muitos lugares onde buscar conteúdo, aliás será que sabemos identificar onde realmente há conteúdo ou será que só seguimos o rebanho e concordamos em receber aquele tipo de informação sem questionar talvez porque muitas pessoas as julgam relevantes?

A sensação que fica é que as vezes nem temos tempo para construir uma opinião a respeito de algum fato por exemplo e a quantidade de dados os quais temos acesso nos faz pensar que nunca estamos bem informados, o que a meu ver é algo bom se for saudável, assim estaremos sempre em busca de mais e não estaremos na zona de conforto achando que já sabemos de tudo sobre determinado assunto.

Mas as vezes para estar por dentro de tudo quase tudo e tentar adivinhar tendências é necessário fazer o caminho inverso e ir buscar em outras fontes que talvez nem sejam tão novas assim.Como disse o Gil Giardelli :

A Internet é uma releitura da história da Humanidade

Nem tudo nesse mundo é inovação, as vezes seja apenas uma evolução do que já existia.

Inclusive vou deixar aqui essa incrível apresentação do Gil chamada: “Os Hippies digitais”. Se estiver difícil para carregar clique aqui

Pensando um pouco nisso, ontem a noite me desliguei um pouco da Internet e fui ler a revista VidaSimples, que com certeza me faria acalmar os ânimos e reflexões tratando de temas como bem estar, saúde, espiritualismo e afins. O incrível é que mal abri a revista e já me deparei com um incrível artigo do Ronaldo Bressane sobre; Consciente coletivo e a Cultura Wiki ou de Colaboração. Fiquei impressionada com algumas citações que o autor faz por exemplo à Obra Aberta de Umberto  Eco”  e ao Blog do Gilberto Júnior que orienta um grupo de leitura coletiva da Bíblia, ou  quando cita o case da loja Endossa aqui em São Paulo

Claro chegando ao fim da reportagem saí com mais curiosidades, dúvidas e vontade de pesquisar sobre o assunto e não resistindo acabei  parando na internet !Para quem se interessou recomendo muito que clique aqui e vá até o Blog Impostor do Ronaldo Bressane, o autor do texto, onde ele conta como escreveu esse artigo!

Na mesma revista li algo que me fez me sentir bem melhor! Sabe o fato de termos que armazenar cada vez custom-windows-mobile-developmentmais informações e nosso cérebro não dar conta? Pois é, há uma teoria derivada de uma pesquisa de David Allen, um consultor empresarial americano, que defende o  fato de atualmente não termos que armazenar tantos dados e informações , pois eles estão nos nossos aparelhos eletrônicos. Em seu livro Making it All Work ele diz que essa “transferência de responsabilidade” de nossas mentes para nossos aparelhos eletrônicos, pode nos livrar de consequências como o stress.

Sabe que eu já havia pensado em algo parecido. É como quando se está com a mente saturada e se escreve para transferir para o papel ou para a tela de um computador as suas idéias, reflexões,devaneios, se sentindo assim mais leve depois!

Se você anda se sentindo assim, meio saturada(o) e quer dar um tempo de tudo, saia do quadrado, reinvente-se,seja curioso.  Ouça o som de um instrumento exótico e desconhecido chamado didgeridoo, descubra o que significa Serendipidade, conheça Osho, leia essa reportagem na Época:Chega de Pensamento positivo!Pesquisadores canadenses demonstram que ele até dá resultado. Só há um problema: é o resultado oposto.

Enfim recicle-se e dê oportunidade para que o acaso atravesse sua vida. Acredito realmente que as grandes idéias e oportunidades estão as vezes onde nem imaginamos! 😉